domingo, 20 de março de 2016

|| sinônimos ||


A minha melancolia. Aquela que me satisfaz, me incendeia e me alivia.
Solenemente preenche, inunda, invade sem pedir licença, sem importar-se com bons modos.
Vagarosamente toma conta do sentimento, leva consigo o juízo, a certeza do que um dia foi inalterável, eterno, perfeito.

Agraciando os dois contrários, que fundem num misto de êxtase, culpa, remorso, incertezas.
Um arrepio se espalha por todo o corpo, o amargo do desgosto surge na boca, e se tivesse sido diferente?

Atreva-se! Eles dizem. Aventure-se! Eles insistem. Ouse! Eles ordenam, eles gritam, exigem, decretam. Mas eles não sabem. Desconhecem a eterna agonia, O sabor preto e branco da amargura, aquela que tortura, aquela que dói, a que aperta e tormenta.

Continua o ciclo. Resta apenas a eterna espera daquele que talvez nos leve pra longe. Pra outro universo, e talvez, se não for pedir demais, nos faça acreditar novamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário